Notícias

As imperdíveis leituras dos livros de Yuval Noah Harari

Professor Jorge Queiroz    Por Jorge A.Queiroz e Silva      
  Sábado,07/12/2019, 20h55
  Fonte: Por e-mail
  Imagem: JB Treinamento em Informática | Um jeito novo de ensinar          Bandeira do Brasil

Imagem: Yuval Noah Harari. Crédito da imagem: Blog da editora Companhia das Letras.
Imagem: Yuval Noah Harari. Crédito da imagem: Blog da editora Companhia das Letras


As férias possibilitam o reencontro com familiares, com amigos de outrora e possibilidades de viagens ao litoral. Porém, acredita-se que algumas pessoas irão optar pelo reencontro com os livros.

Sugiro, portanto, a leitura dos livros Sapiens: Uma breve história da humanidade, Homo Deus: Uma breve história do amanhã e 21 lições para o século 21, de Yuval Noah Harari, editados pela Companhia das Letras.

O consagrado historiador israelense, de 43 anos, se debruça sobre os mais variados contextos contemporâneos, a partir de fatos históricos passados, para explicar, por exemplo, em perspectiva evolucionista, porque o ser humano sobressaiu às outras espécies.

Harari instiga o presente e o futuro ao relacionar humanos e tecnologias:  

Mesmo em sociedades supostamente livres, algoritmos podem ganhar autoridade, porque aprenderemos a confiar a eles cada vez mais tarefas e, aos poucos, perderemos nossa aptidão para tomar decisões por nós mesmos. 

Inteligência artificial, Big Data, liberdade, educação, desigualdade social, ditaduras, Fake News, entre outros, fluem nessas obras de incontestáveis valores.  

Feliz Natal 

Venho pensando na mensagem existente na festa celebrada pelos cristãos, chamada Natal ou festa do nascimento do Deus Menino.

Pois bem, algo me questiona, talvez porque eu também questiono os sentidos que a festa foi tomando ao longo do tempo.

Aquilo que me chama a atenção é o fato de Cristo, filho de Deus, se tornar um humano para salvar os humanos. Algo tão forte e ao mesmo tempo feito com tanta simplicidade que mostra o quanto as coisas divinas são assim: feitas não para serem vistas, mas, simplesmente, pela eterna persistência em Criar.

Exemplo: uma flor no meio da mata em local onde não transitam pessoas, por que é tão bela? Pela eterna felicidade divina de criar.

Talvez pensemos que tudo o que é belo tenha que ser visto. Não. As coisas do Criador têm beleza particular, vão além da estética, da dor, da tristeza, da saudade, da angústia. Nós olhamos, talvez, a beleza das cores, do bem arrumado, do bem apresentado. Ele valoriza nossa maneira de ver, mas vai muito além.

Quando o Pai enviou seu Filho ao mundo, foi para que se tornasse um de nós e nos salvasse do pecado reconduzindo-nos à vocação máxima, à Filiação divina, fonte de felicidade.

Isso nos esclarece do quanto nós podemos ser Criadores. Criarmos sentido para nós mesmos ao fazermos alguma coisa para melhorar o mundo. E, como fez o Criador, fazermos um envio de nós mesmos para salvar nem que seja alguém da tristeza de nunca ter sido feliz. Naquele momento estaremos fazendo o Natal.

No cenário do Natal estão Maria e José, que viabilizaram a vinda do Messias. E, com o nascimento de Jesus, personagens ilustres passaram a compor a cena da estrebaria abençoada, os pastores, as ovelhas e os reis magos.

Os pais terrenos de Jesus precisavam de coisas materiais, ouro, incenso e mirra, a lã para aquecer o pequeno e a amizade dos pastores.

Esses três elementos são necessários também na missão de levar alguma salvação a alguém: ofertar coisas materiais, ofertar a amizade, a dedicação e o apoio para que aquilo que é criado se desenvolva, mas o façamos como práticas diárias das nossas vidas.

Acredite, Renascer, Criar e Salvar, desse jeito, nos aproxima do Criador e do Salvador.

Feliz Natal!  

Jorge Antonio de Queiroz e Silva, historiador, palestrante, professor.



Clube de Autores - livros de todos os gêneros literários  | JB Treinamento
Livros de todos os gêneros literários


+ noticias
ENDEREÇO

Um Jeito Novo de Informar | Centro
87230000 | Jussara
SUPORTE