Notícias

Pioneiros Escrevem Histórias de Jussara

   Por Jorge A.Queiroz e Silva
  Sábado, 17/11/2018, 14h27
  Fonte: Por e-mail


Livro Histórias de Jussara na visão de pioneiros - Jussara 60 Anos
Livro Histórias de Jussara na visão de pioneiros 
Jussara 60 Anos - Clique aqui para saber mais! 


Jussara, terra onde vivi parte de minha infância, adolescência e juventude, guarda histórias interessantes, publicadas no livro Historias de Jussara na visão de pioneiros (organizado por SOUZA, Joaquim B. de, 2. Ed. Joinville: Clube de Autores, 2018, 128 p.).

Com 21 relatos, os textos se completam e despertam em quem busca uma leitura informativa também a possibilidade de ler curiosidades do cotidiano.

Primeiros tempos

Paulo Pereira de Souza, ao descrever o início de Jussara, cita os primeiros compradores de terras, os primeiros habitantes, a construção do Hotel da Companhia Melhoramentos, a chegada de outros comerciantes, o primeiro prefeito de Jussara, como foi a criação do município e o porquê do nome Jussara (p. 20 a 26).

O convite "venham para cá, aqui é uma terra abençoada, terra roxa", presente no depoimento de Francisco L. Barbosa (p. 51-52), fez com que ele e a esposa fixassem ali residência e conhecessem a bênção da terra roxa, mesmo quando, mais tarde abriu comércio. Em 1966, "a cidade era empoeirada em dias secos. Uma cidade barrenta em dias chuvosos [...] nenhum metro de asfalto" (p.61), relata o texto de Arno Tachini, que refere ter construído  "mais de 80 casas nos municípios de Jussara, Cianorte, Terra Boa (Malu)" (p. 64).

Segundo Maria Mitsuhashi Ueda (p.70-71), "a avenida ficava cheia daqueles carroções de quatro rodas, puxados até por dois animais, que traziam o pessoal que chegava de todos os cantos do município para fazer compras. Como não existia asfalto, "as galochas, calçados de borracha comuns nos anos 60, eram habitualmente usadas por cima dos sapatos ou das botas para protegê-los do contato com a água", descreve Jorge Antonio de Queiroz e Silva (p.76).

E o trem que não trazia o pessoal de Aquidaban para visitar Joaquim B. de Souza? Conta que sentava "todos os dias à tarde "em frente ao salão do Zé Cadare para ver o pessoal chegar de trem" (p. 125), o trem da saudade.

Ao chegar em Jussara, em 1953, encontrou pequena venda com os produtos jabá, carne seca, machado, traçador, serrote, entre outros, conta Luiz Gotardo (p. 98) e refere que entre os anos de 1951 a 1955 "o céu ficou turvo pela fumaça que encobria o sol devido às queimadas[...], praticamente toda a mata Jussarense caiu por terra". (p. 99). E apareceram as cafeeiras, como cita Anor B. da Silva Filho (p. 36): Cafeeira Glória, da família Mitsuhashi, a Cafeeira do Sr. José Corazza, a do Sr. Manoel J. Soares, primeiro prefeito de Jussara, a Preis e a de José Bordin e Lino Parker.

Wilson A. Reki relata que em 1954 ainda existiam poucas casas em Jussara. Nos primeiros anos da década de 1960 foi inaugurada a Cia Mista de Energia Elétrica de Jussara, e se lembra da inauguração do Banco Comercial do Paraná. Lamenta a destruição da Igreja Matriz, em 1960, por causa de um raio, e conta que assistiu "filmes maravilhosos no Cine São Pedro e depois Cine Jussara, ou vice-versa" (p. 48)

A precariedade das estradas é lembrada por Júlio Lino Martins (p. 82), "verdadeiras picadas ainda dividindo espaços com tocos. Não tinha conservação". As estradas eram arrumadas "no braço", com enxadas, picaretas e enxadões. Mas os rios tinham água e peixes em abundância.

Continua depois do anúncio... clique nas imagem!
Livros da JB Treinamento em Informática | Literatura

Aproveitando da própria experiência, Minoru Shimada nomina todos os prefeitos de Jussara, após citar lideranças, a divisão do Município, a ocorrência de candidatura única, a fundação da COCAMAR e a fundação da Associação Comercial do Paraná, entre outros (p.102-107).

O ouro verde e negro

Os relatos de Wilson José da Freiria, sobre o Café, denominado Ouro Negro, e de Valdomiro Souza, Ouro Verde, enfatizam como o café era sinônimo de prosperidade. Para Freiria, as boas safras, depois de três anos "tocando lavoura de café", permitiu à família comprar o lote de terras n.0 147-A, de Cinco Alqueires, na estrada Buriti (p. 27). E, para Souza, ao chegar com a família no município de Jussara na década de 1960, "na época não se pensava em outra coisa a não ser formar lavouras de café, o ouro verde" (p. 31).

A partir da década de 1950, com a força do frio maior na grande geada de 1955, a cultura do café foi ficando para trás. Mas "por teimosia ou sonho, insistimos até a grande geada de 1975" (p. 90), refere Alcides Petita. "As geadas assustavam um pouco [...] contudo se conseguiam boas safras" menciona Américo Colauto Filho (p. 95)

A transição do café para outras culturas, como o algodão, e, posteriormente, soja e milho, ocorreu a partir de 1975, conta Vady Preciso, "quando forte geada devastou os cafezais do Paraná inteiro" (p.40-41). As safras de café, "quando se conseguia e a geada deixava", e de outros produtos, diz Eder M. Jacomini (p. 58), eram entregues nas cafeeiras da cidade, o que é complementado por Martin Mingues (p.67): "Fizemos muito progresso nos anos que vivemos ali".

Mas quando a grande geada de 1975 dizimou os cafezais, contam Itsuo e Massanori Kimura (p. 115), entravam os tratores para  "arrancar os cafezais e preparar terra para as outras lavouras". A partir de então, relata Katsuji Kaneshiro (p. 119), "o êxodo rural levou o município a perder habitantes e o comércio a perder força" fechando casas comerciais, como Comercial Catarinense, Casas Pernambucanas, Loja Translar, "todas as cafeeiras e cerealistas".

E o Hino de Jussara, quem não se lembra do refrão?
 
Avante Jussara imortal
Teu filho não te esquecerá
Tu és terra colossal
Do norte do Paraná.
Solo abençoado por Deus,
Orgulho dos filhos teus.

(Letra de Geny Severina de Queiroz e Silva (1920-1997).
Melodia de Sebastião Lima).

Mesmo que o livro não seja um estudo historiográfico, como menciona Luciana Mara T. Barbosa, mas é um "retratar da história de pessoas de forma individual que se caracteriza no conjunto de uma única história" (p. 7), a de Jussara.


Jorge Antonio de Queiroz e Silva é historiador, palestrante, professor.

 

Clube de Autores - livros de todos os gêneros literários  | JB Treinamento
Livros de todos os gêneros literários!
+ noticias
INSTITUCIONAL

ENDEREÇO

Um Jeito Novo de Informar | Centro
87230000 | Jussara
SUPORTE