Lembranças de Vinicius de Moraes

Rememoram-se 40 anos de falecimento de Vinicius de Moraes (19 de outubro de 1913 a 9 de julho de 1980), porém ele continua vivo no imaginário social, na diplomacia, na dramaturgia, na poesia, no canto e na composição, só para dizer alguns dos seus talentos. (Prof. Jorge Queiroz)

Últimas Notícias

Eleições 2020 – Duplo Interesse

Grupos mandatários da gestão atual fazem pedidos para o adiantamento das eleições, enquanto que os de oposição não abre mão das eleições este ano. Com razão, tem administração insuportável e prorrogar esse martírio da população não é justo.

Pandemia e educação

O novo coronavírus, motivo da pandemia global, altera a vida das pessoas, em âmbito individual e profissional, a exemplo da alteração que ocorre na educação do ensino básico. (Texto Prof. Jorge Queiroz)

Sergio Moro em três momentos

Enumero três momentos da vida de Sergio Fernando Moro, natural de Maringá - PR (10 de agosto de 1972), ex-ministro da Justiça, ex-magistrado, professor universitário. (Texto Prof. Jorge Queiroz)

Massacre do Centro Cívico completa cinco anos

Aos 29 de abril de 2015, educadores (as) do ensino básico e universitários (as) estaduais e estudantes, em greve, repudiavam o Projeto de Lei 252/2015, encaminhado por Beto Richa, ex-governador do Paraná (janeiro de 2011 a abril de 2018) e réu em ações por inúmeros crimes, à Assembleia Legislativa, que alterou a ParanaPrevidência. (Texto Prof. Jorge Queiroz)

Galeria de fotos


Notícias

Jussara 60 anos – do café ao algodão

Relato de Vady Preciso - quinta-feira, 03/12/2015, 14h23

No alto da foto, Vady Preciso produtor de algodão anos 60

Quando, em 1962, recém-casado, cheguei aqui no município de Jussara a lavoura de café já havia sofrido uma grande geada, por isso preferi investir na lavoura de algodão.

O lote onde me estabeleci depois de chegar de Ibiporã era na Estrada Palmeiras, no local denominado de Pé de Galinha, próximo ali da Venda Queimada. O sítio era de dez alqueires, mas eu tocava três, o restante era também da família.

Em termos de dificuldades, como todos sabem, na época um dos principais meios de transportes para os produtores rurais entre a zona rural e a cidade era a carroça, exceto quando a viagem se destinava a levar a produção, como o algodão, que era entregue a cerealistas como do Sr. Bordin ou Sr. Ozano; e as estradas não eram "aquela coisa". Nas outras ocasiões, por exemplo, como vir ao comércio ou a bancos, nessa época tinha o Banco Nacional e o Banco Comercial do Paraná, quase sempre o veículo utilizado era de tração animal.

Essa transição do café para outras culturas como algodão, e posteriormente, a soja, milho, ainda demoraria um pouco. Somente em 1975 quando uma forte geada devastou os cafezais do Paraná inteiro, foi efetivada essa nova agricultura. Entretanto, nessa época eu já estava à frente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Jussara e conciliar as duas tarefas de produtor de algodão e ser responsável pelo Sindicato ficou um pouco difícil, por isso decidi pelo Sindicato. Portanto, desde 1973 aos dias atuais estive a frente do Sindicato, somando-se aí 42 anos.

O Sr. Vady Preciso foi também Relator da Lei Orgânica do Município quando vereador na gestão de 1989-1992.

Nota do Editor

Segundo o Rogério Recco em seu livro, "À Sombra dos Ipês da Minha Terra" um grupo de ingleses desembarcou no Rio de Janeiro em dezembro de 1923, enviado por credores da dívida brasileira com o propósito de negociar esta dívida (...) com o propósito de encontrar terras para o plantio de algodão para suprir a Indústria têxtil britânica (...). Entretanto, a colonização do Norte e Noroeste do Paraná se deu em função da cafeicultura.

Segundo a pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco, Semira Adles Vainsencher, "a produção comercial do algodão começou nos estados da Região Nordeste e o primeiro grande produtor foi o Maranhão que, em 1760, exportou para a Europa os primeiros fardos do produto". Atualmente, destaca-se como o 4° maior produtor de algodão o Estado do Mato do Sul; 3° o Estado de Goiás; 2° o Estado da Bahia; e o 1° maior produtor de algodão no Brasil é o Estado do Mato Grosso. O Brasil é o terceiro maior produtor mundial de algodão, (Embrapa).

Atualmente, o Paraná não consegue atender nem 15% da necessidade do mercado estadual. Em outros tempos, o Paraná chegou a ser o responsável pela metade da produção brasileira. (Paraná Online/Economia).


Rede social:

https://www.facebook.com/noticiasdejussara
https://www.facebook.com/jbtreinamento



+ noticias
ENDEREÇO

Um Jeito Novo de Informar | Centro
87230000 | Jussara
SUPORTE