GILIA GERLING


Natural do Rio de Janeiro (21/05/1952), está radicada em Porto Alegre, desde 1975. 

De sua formação, no RJ, destaca os professores: Esther Scliar (matérias teóricas), Dayse de Lucca e Homero Magalhães (piano)  e Iberê Gomes Grosso (violoncello). 
No período de 1978 a 1985 dividiu seus estudos entre Porto Alegre e Rio de Janeiro estudando com: Milton Masciadri (contrabaixo), Roberto André, Jorge Falcione,  Jean Jacques Pagnot, Watson Cliss, e  Zygmunt Kubala (violoncello); Cláudio Santoro e Roberto Ricardo Duarte (regência, UFRJ).

De março de 1975 a setembro de 2005 exerceu suas atividades profissionais na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul junto ao Instituto de Cultura Musical e, a partir de 2001, na Pró-Reitoria de Extensão, como coordenadora do departamento de artes  e assessora do Pró-Reitor.
Em 1978, assumiu a regência da Orquestra de Cordas Infanto-juvenil  da PUCRS que foi fundada pelo maestro Fredi Gerling. 

Em 1984 estreou, como maestrina Interna, na ópera Il Trovatore, de G. Verdi, participando em seguida de todas as temporadas líricas do então Centro de Cultura Musical da PUCRS, atualmente Instituto de Cultura Musical da PUCRS.            
No mesmo ano, foi selecionada para participar do IV Curso Internacional de Regência, ministrada por Cees Rothevel (Holanda) que veio ao RJ e foi convidada a reger uma série de peças de Arvo Pärt, na Sala Cecilia Meirelles por seu destaque no curso promovido pela Pró-Arte.

Em 1985, no Rio de Janeiro, participou do V Curso Internacional de Regência. Nesse curso foi convidada pelo professor e maestro John Poole a fazer um estágio com o coro BBC's Singers em Londres, após assisti-la regendo quatro partes da Missa em Si, de J.S.Bach.

Em 1988, em San Diego, CA, por três meses participou como regente de coro, banda e orquestra na Point Loma Nazarene University.

Em 1989, no “Tanglewood Music Festival” estudou regência orquestral com Jeffrey Tate, Roger Norrington, John Oliver, John Williams, Maurice Abravanel, Seiji Ozawa e Leonard Bernstein, entre outros.
No próprio Festival, foi selecionada para o seminário de regentes que tratava especificamente das Aberturas de Beethoven com Leon Fleischer e participou de cursos específicos para regentes de orquestra ministrados por renomados solistas como, Phyllis Curtin, Jessye Norman, Emanuel Ax, Sherman Walt, James Galloway, Yo-Yo Ma e Isaac Stern.                                                      
No mesmo ano, foi primeiro lugar em concurso internacional de regência em San Francisco, CA. Teve sua classificação empatada com um candidato norte-americano, obtendo "voto de Minerva" do Maestro Leonard Bernstein.                                          
Em Los Angeles atuou frente à Banda Sinfônica da Marinha sendo orientada por Simon Rattle.              

De 1988 a 1992 foi consultora ad hoc da FAPERGS.  

Em 1993, regeu a Ópera "Cavalleria Rusticana" de Pietro Mascagni, quando foi laureada pela ONU por ter sido a primeira mulher a reger uma ópera na América do Sul.

Em 1995, em Donaustadt e Viena, Austria, participou de dois cursos sobre obras de Poulenc, com Christopher Linz e Jean Savignè.

Com o Coro e Orquestra da PUCRS realizou obras como: Requiem, Missa da Coroação, Regina Coeli de W.A. Mozart; Missa Santa Cecília, de Charles Gounod, Missa em dó, de L. Beethoven, “Missa in Tempore Belle de Haydn, entre outras obras no estilo coral-sinfônico. 
Por treze anos consecutivos atuou como regente nos Concertos Comunitários ZAFFARI.

Ainda na PUCRS, foi fundadora e regente do coral da Total Idade, durante seus primeiros quatro anos. O coral foi criado em março de 2001 a partir do projeto, de sua autoria, “Nunca é Tarde para Cantar,” solicitado pela Pró-reitoria de Assuntos Comunitários, destinado a integrantes com faixa etária a partir dos 60 anos. O coral, que até julho de 2005 esteve sob sua direção, contava com 187 integrantes e obteve grande repercussão inclusive no meio acadêmico, tendo sido tema de vários trabalhos de graduação, mestrado e doutorado.

Em Porto Alegre foi fundadora e regente dos seguintes Corais: 
AMRIGS - Associação Médica do Rio Grande do Sul, Construtora SULTEPA e Cores Vocais de Tintas RENNER. Na Grande Porto Alegre, atuou como técnica vocal do coral da PETROBRAS na Refinaria Alberto Pasqualini e foi regente fundadora da Orquestra Filarmônica de Novo Hamburgo. 

Recebeu prêmios em cursos e concursos dos quais destaca o com estágio com BBC Singer's (Londres), UCLA Chamber Orchestra (California), quando regeu Pacco de Lucia e o premio “Regente Revelação” da Folha de São Paulo.            

No Rio Grande do Sul, atuou como regente frente ao coro da Sociedade Pelotense Música pela Música, Orquestra Sinfônica da PUCRS, Orquestra do Theatro São Pedro e OSPA- Orquestra Sinfônica de Porto Alegre.

De 2005, até setembro de 2008, foi coordenadora cultural da LAAPAC - Legião de Assistência ao Paciente com Câncer - no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. 

Atualmente, Gilia GerlinG atua como regente-fundadora do Coral Som, Pessoa e Arte e da DA CAPO Orquestra de Câmara, além de prestar assessoria artística.